header_dots_v04
idea #04

Otimizando
a eficiência
das proteínas

A maximização do efeito de autorregulação através do pH gástrico, combinada com moléculas antibacterianas eficazes e eficientes, reduzirá a carga total de bactérias intestinais e o consumo de proteínas nutricionais. Evitar a degradação intestinal por causa do crescimento excessivo de patógenos ao lado da economia do sistema imunológico de reserva aumentará novamente a disponibilidade de proteínas para a produção de carne ou ovo.

Em ambientes não industrializados, as aves domésticas são capazes de selecionar seus nutrientes de maneira equilibrada para manter boa saúde e capacidade reprodutiva. Não há antibióticos disponíveis como suporte em caso de distúrbios. Ainda nessas circunstâncias, as galinhas podem produzir ovos de boa qualidade, se reproduzir com eficiência e os frangos produzirem carne de boa qualidade. Como podem gerenciar isso? As aves domésticas possuem mecanismos de autorregulação que lidam com os riscos e ameaças ambientais. Tais mecanismos são: uma pele protetora bem desenvolvida, crescimento de penas e um TGI bem desenvolvido. Além disso, o TGI deve ser capaz de reduzir as ameaças bacterianas, protozoárias e virais. Também existe um sistema imunológico complexo e específico para backup quando a defesa de primeira linha falha.



Regulation of GIT-pH is key

Um dos principais mecanismos de autorregulação é a regulação do pH do TGI. O estômago das aves tem o pH mais baixo, variando entre 2,5 e 4, dependendo da idade e nutrição (composição, estrutura, consumo). Esse baixo pH é necessário para solubilizar minerais como o cálcio e iniciar a digestão. O trato intestinal em aves é muito curto em comparação com outros animais. Para aumentar o tempo de passagem e, assim, a digestão, foi instalado um sistema engenhoso de refluxo da parte proximal do intestino delgado de volta ao estômago. O pH do TGI não afeta apenas a atividade das enzimas para digerir os nutrientes, mas também atua como um porteiro para conter agentes patogênicos. Novamente, uma moela maior combinada com refluxos, resultando em um aumento do tempo presente em um ambiente de pH baixo, beneficiará a capacidade de controlar bactérias.

O que não fazer?

Uma redução adicional do pH do estômago não seria benéfica, pois exigiria proteção adicional da superfície interna do estômago. Também custaria energia extra para secretar prótons redutores de pH, enquanto a maioria das bactérias não seria mais afetada. A secreção e atividade das enzimas pancreáticas e intestinais podem até ser negativamente afetadas, portanto, uma redução adicional do pH do estômago não favoreceria a eficiência da proteína.

Uma melhor digestibilidade das proteínas deve ser alcançada criando o pH ideal do estômago e intestinal e assegurando que o tempo de retenção seja suficiente para digerir toda a proteína.

Estratégia preferida

Uma melhor digestibilidade das proteínas deve ser alcançada criando o pH ideal do estômago e intestinal e assegurando que o tempo de retenção seja suficiente para digerir toda a proteína. Além disso, bactérias que possam sobreviver ao baixo pH no estômago devem ser direcionadas com compostos antibacterianos. Moléculas que podem desestabilizar a membrana celular das bactérias são capazes de penetrar através da membrana celular e causar vazamentos e/ou ter uma atividade antibacteriana dentro da célula bacteriana (redução de pH, intercalação de DNA) são a melhor opção. Esse princípio se concentraria em bactérias patogênicas sem causar muito dano colateral às bactérias não patogênicas que sobrevivem a pH baixo (como lactobacilos, …).

Your Agrimprove poultry expert

Jan Vervloesem
Category Manager Poultry
+32 477 45 75 17

Say ‘yes’ to improvement

We are looking forward to hearing from you. Get in touch to exchange ideas about how we can optimize your operations together.